A INFÂNCIA POR UM FIO (click)

Há algumas décadas o desenvolvimento infantil tinha as suas fases bem definidas.  Sabia-se não ser necessária a aceleração dos processos, de prontidão física e mental.  Era tudo à sua hora e ao seu tempo e, consequentemente, natural.

As pressões e cobranças, tão comuns na atualidade, não serviam de regras para aqueles que tinham a incumbência de cuidar dos pequeninos, bem como, e principalmente, para eles.

Não existiam tantas novidades e facilidades, principalmente as técnicas e científicas, mas existia maior tranquilidade e mais oportunidades, para que fossem desenvolvidas a curiosidade e a criatividade, inerentes às crianças.

As brincadeiras eram criadas, inventadas, e praticamente todas colaboravam para que, de alguma forma, o físico, o intelecto e o sentimento de grupo se fizessem presentes, contemplando todo o necessário ao desenvolvimento infantil.

Tudo era possível ou não muito difícil de alcançar, e nada fugia à imaginação fértil dos menores, que transformavam uma infinidade de utensílios e materiais nos mais variados tipos de brinquedos.

Mas o tempo foi passando, os brinquedos elétricos e à pilha foram sendo descobertos e passaram a competir com o grupo.  A partir daí, o crescente avanço tecnológico e científico não deixaria de ofertar à infância as mais diferentes inovações, em termos de brincadeiras e diversões.

O mais moderno, o eletrônico, aos poucos foi ganhando espaço.  Descobriu-se que as utilidades do computador não serviam apenas aos adultos, pois poderiam, perfeitamente, ser estendidas às crianças, oferecendo-lhes o encanto, a fantasia, a dinâmica das cores e do movimento.

Vieram os jogos em suas mais diversas versões; chegaram os smartphones, com todas as suas possibilidades… E, de forma solitária, as crianças ficaram ligadas aos componentes eletrônicos que as levavam a um mundo totalmente novo, mais inovador e excitante do que a TV, através do qual puderam interagir.

E, aos poucos, a criatividade da equipe foi dando lugar à competitividade solitária, com o quebrar de recordes, com o superar de fases…

Não se podem negar os benefícios trazidos pela informática, despertando a curiosidade, auxiliando na coordenação motora, desenvolvendo a concentração.  Não se pode esquecer a importância do computador, mormente na área educacional, facilitando trabalhos escolares e proporcionando, através da internet, mais quantidade e maior velocidade nas pesquisas.

Mas, diferente da máquina, sabe-se que a infância é uma preparação, e que essa fase requer todos os cuidados necessários, principalmente os da atenção, afeto, compreensão e diálogo.

Ao se atentar para isso, certamente esses equipamentos serão sempre um moderno aliado da criança, e não se transformarão em refúgio perante a insatisfação, não serão sua acolhida em momentos de fuga e nem seus companheiros na carência afetiva.

Devemos, portanto, lembrar não serem poucos os elos que nos unem às crianças, e não esquecer que são muitos, os fios, cabos, conectores e chips, que podem fazer com que elas se afastem de nós.

Geraldo Vieira de Magalhães
Psicólogo – CRP 08/06392
O Psicólogo Geraldo Vieira de Magalhães é conveniado da Universal Saúde e atende crianças, adolescentes, adultos e idosos.
Encontre seus dados acessando
CLÍNICAS PARAMÉDICAS
Psicologia Clínica
Curitiba
(41) 3223-9101 / 9 9141-3141


			

Deixe uma resposta